Avançar para o conteúdo principal

Panorama Politico

Acima de tudo.... "XU"


Semana marcada pela atualidade política, vê-se pouco, ou fomo-nos habituando a ver pouco este tipo de "noticias emocionais", faz parecer que estamos num estádio de futebol a torcer pelo nosso clube e ficamos, muito aborrecidos quando o árbitro marca um fora de jogo que não é, tal como aconteceu à PaF que era governo e agora não é.






Será correto termos apenas uma visão para uma direção? será correto termos uma visão para outras direções? não nos considerariam um "sem personalidade"?
            Temo que nos tempos que correm, sejamos "obrigados" a tomar um partido, senão, de imediato somos ostracizados, encostados para canto, com a justificação "...tu não percebes nada de nada". Claro está, não temos de perceber tudo de tudo.

            O facto de não sermos moderados leva-nos a extremismos, sim é uma verdade "lapalissiana" quer seja, para um lado, quer seja para o outro, o extremamente a favor ou o extremamente contra.
            Como nos entendermos nesse meio? Não creio que haja entendimentos, há cisões, há opiniões separatistas de conflito direto e pessoal, claro está, que esse conflito verificado, a nível de estudo do comportamento humano, é algo muito valioso, algo muito positivo de ser observado, e conclusões muito interessante se tiram daí. O chamado "brainstorming conflitual". 

            Porquê usar esta expressão? Vamos até ao século XX, mais precisamente a 1939, quando surgiu uma necessidade de ... alterar as regras das opiniões individuais no desenvolvimento de um determinado departamento, de uma empresa, e usar regras na troca de ideias coletivas, o que trouxe isso? Uma capacidade que individualmente existia mas...  que não era notória na altura do desenvolvimento da equipa e do conhecimento mais profundo das pessoas que trabalhavam na mesma empresa e que, se calhar, até se conheciam mal, fez com que, com o contributo de todos se chegasse a uma boa conclusão para todos, para o seu desenvolvimento enquanto equipa.
           Quem tem essa capacidade de hoje em dia, entrar em conflito direto e ser moderado? quem tem a mais-valia de ouvir tudo o que o outro tem a dizer e saber no tempo certo, responder com educação, com moderação e argumentação valida?
Ficamos calados, ficamos ofendidos, e sentimo-nos incapazes de resolver uma questão conflitual.




Procuramos ajuda para a ultrapassar? Procuramos ajuda para a entender?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dar ou não dar

Hoje em dia, partimos do principio que não nos devemos dar a ninguém para depois não sofrermos, quando ou, se esse alguém nos rejeitar, há quem viva horas, há quem viva dias, há quem viva anos assim, mas o facto é que nos "enganamos" a todos, uns aos outros.

O dar não é nada mais do que demonstrar todas as nossas forças todas as nossas fraquezas sem esconder as nossas fraquezas, sem esconder as nossas forças com o receio de ser impetuoso e incisivo na análise das situações que possam ocorrer e sem esconder a nossa fraqueza do demonstrar que somos frágeis e  inseguros. Em ambas as situações podemos sofrer, o ser moderado ou o esconder os pólos, negativo e positivos, leva-nos a ser um "falso" moderado, um falso porque não é o verdadeiro "eu" que esta a ser mostrado, mas sim um "eu" fantasiado e delineado por o "bom senso" que não deveria existir, mas por base sempre foi o que foi demonstrado ser o melhor a seguir.

Partilha

Diz-se muito que o ser humano existe, porque partilha.

O existe tem a ver com o completar das suas necessidades, o existe tem a ver com as sensações que tem quando interage com outra pessoa, sendo amigo, conhecido, companheiro, o existe tem a ver com o facto de recebermos feedback, algo que nos informa, que nos faz observar, algo que nos toca, quer seja na pele, quer seja na memória, nas emoções.
O partilhar algo que faz, o partilhar algo que inventa, o partilhar algo em que participa, nem todos o sabem fazer, nem todos sabem o que é.

Sentimo-nos seres humanos, quando as nossas emoções relativamente à nossa pessoa são satisfeitas. Sentimo-nos seres humanos, quando os nossos objetivos são concretizados. Sentimo-nos seres humanos quando o sabor da concretização é mais forte que o sabor do caminho que a fez chegar até lá.




Afinal estou só a partilhar o que "eu fiz", claro que é bom o que "eu" fiz, contudo o que eu faço nada serve, se nao for feito com a …

Ébola - artigo Jornal Publico

Vírus Ébola: o embuste MANUEL PINTO COELHO 04/09/2014 - 01:34 Ao contrário da ideia com que se fica pela leitura da imprensa, não existe qualquer razão para recear que o vírus Ébola se possa transformar numa pandemia à escala mundial. Tem tanto de extraordinária como de caricata a histeria que vai por esse mundo por causa da “catástrofe” provocada pelo vírus Ébola. A imprensa internacional fala de 1229 mortos entre Março e Agosto de 2014. Ora bem, se consultarmos a página da OMS sobre este assunto, veremos que na realidade foram 788 os casos de óbito formalmente identificados como causados pelo vírus Ébola, um número bem inferior aos 1,2 milhões de mortes causadas pela malária (paludismo). O número remanescente limitou-se a traduzir os casos “suspeitos” ou “prováveis”. As imagens televisivas com que fomos recentemente presenteados, mostrando-nos técnicos de saúde, quais marcianos envergando complexas máscaras junto de doentes suspeitos, são totalmente insensatas e dignas de um mau …